Como saber se o anticoncepcional está fazendo mal para saúde

Como saber se o anticoncepcional está fazendo mal? Essa deveria ser uma preocupação especialmente das mulheres que usam esse contraceptivo sem receita médica, como se fosse normal brincar com a vida.

Sabemos que usar um contraceptivo qualquer pode causar males diversos a saúde da mulher. E mais ainda, em alguns casos ele pode não contribuir para evitar a gravidez.  E, nesse caso, as mulheres sem saber que estão grávidas continuam a usá-lo prejudicando diretamente o feto.

Por isso, para as mulheres interessadas em saber, vamos passar algumas dicas para que elas percebam o mal que a pílula está fazendo.

 

Sintomas apresentados

 

 

O uso indiscriminado de contraceptivos pode levar a mulher a ter sérios problemas de saúde. No entanto, poucas mulheres sabem que esses riscos podem ser tão graves, ao ponto de levar a óbito.

Infelizmente, devido ao horror à gravidez, especialmente na adolescência, o que tem sido uma epidemia, desde muito cedo, as garotas, já adotam esse método contraceptivo.

Os sintomas podem começar de maneira discreta, mas com o tempo vão se agravando. Veja alguns:

  • Ganho de peso
  • Dificuldade de emagrecer
  • Dores nos seios
  • Varizes
  • Estrias
  • Vaginismo que é a dor durante o sexo
  • Manchas na pele
  • Mal estar
  • TPM

Só que as consequências podem ser ainda mais graves como:

  • Hipertensão
  • Candidíase
  • Distúrbios de coagulação do sangue
  • AVC
  • Trombose
  • Ataque cardíaco

Mas os anticoncepcionais também podem causar problemas emocionais e e energéticos como:

  • Ansiedade
  • Depressão
  • Falta de energia
  • Desânimo
  • Falta de interesse sexual
  • Dificuldades de relacionamento
  • Dificuldades em atingir a prosperidade

 

Trombose

 

 

O uso de anticoncepcional com hormônios pode aumentar os riscos de uma mulher sofrer com a Trombose, motivo suficiente para que se faça uma consulta ao médico ginecologista que vai indicar o contraceptivo ideal, não sem antes de fazer um exame para saber da saúde da mulher.

Se estes trombos caírem na corrente sanguínea e viajarem até órgão vitais como coração, cérebro ou pulmão. Neste caso, o trombo poderá bloquear a passagem do sangue. E a consequência máxima poderá chegar a morte.

 

anticoncepcional fazendo mal

 

Enjoos

 

 

Outro sinal de que o anticoncepcional não está sendo aceito no organismo são os enjoos frequentes algumas vezes seguidos de vômitos aparentemente sem motivos.

Isso se dá pela rejeição do organismo para o elevado nível hormonal, especialmente o masculino. E acontece geralmente, nos primeiros dias da cartela.

Mas normalmente todo este mal estar se vai, após 3 meses de uso do contraceptivo, assim que o organismo de adapte a substância.

Claro que em alguns casos, o mal estar poderá continuar, mesmo após os 3 meses. E se assim, for, é importante ir a médico para descobrir qual é o motivo de estar com mal estar.

Muitas vezes, será necessário mudar de contraceptivo, ou ainda descobrir um horário, por exemplo, a noite, para tomar. Assim os enjoos poderão diminuir. Quem sabe poderá investir em contraceptivo injetável, DIU, cutâneo entre outros que possam dar mais certo.

 

Falta de libido

 

 

Por conta da diminuição do nível de testosterona provocado pelo estrogênio que é um dos hormônios encontrados na pílula, pode ocorrer a falta da libido na mulher, mais um motivo para consultar o médico, pois provavelmente precisará mudar de anticoncepcional.

A falta de libido, poderá ter influência direta na vida da mulher e seu bem estar. Duas em cada cinco mulheres, podem sofrer deste problema que muitas vezes é causado pelo uso do anticoncepcional.

Já existem estudos comprovados de que apesar de existirem muitos outros fatores estressantes na vida da mulher. Mas o uso de contraceptivo tem tomado destaque nos últimos anos.

Isso se dá pelo fato de ela diminuir o nível de testosterona, o hormônio que garante o desejo sexual. Para que se tenha desejo sexual, é necessário que a testosterona esteja mais elevada.

 

Dores de cabeça

 

Quando o anticoncepcional não é aceito no organismo da mulher as dores de cabeça constantes é mais um dos sinais que pode acontecer. E se acaso não forem tomadas providencias quanto a isso, essas dores serão cada vez mais constantes,  comprometendo cada vez mais a saúde. Por isso, fique atenta e tome uma atitude.

É comum acontecer de mulheres reclamarem de dor de cabeça, após o uso de anticoncepcionais. Isso acontece devido ao hormônio.

Neste caso, é possível consultar o médico para quem sabe adotar uma pílula que traga um menor nível hormonal, especialmente do estrogênio.

Neste caso, é importante descobrir se a pílula provoca apenas uma dor de cabeça comum ou é uma enxaqueca que pode trazer ainda outros sintomas como distúrbios visuais, e até incapacidade.

O médico deverá indicar qual seja o contraceptivo mais adequado.

 

Obesidade

 

 

Em alguns casos a contraindicação do anticoncepcional é percebida com o ganho de peso, mas em outras situações pode acontecer o contrario, então se algo anormal é percebido, não exite em buscar ajuda médica, uma vez que com a demora, outras complicações de saúde virão.

Por outro lado, é importante levar em consideração de que ainda não existem teses comprovadas sobre o fato de que os os contraceptivos causem obesidade.

Mas o fato é que o número de mulheres obesas justamente na fase reprodutiva dos 25 aos 35 anos, pode chegar a 39,9%, e isso interfere negativamente numa gravidez.

 

Qual anticoncepcional Escolher

 

 

Não importa se é para prevenir uma gravidez ou para equilibrar os hormônios, o fato é que a gama de contraceptivos é imensa.

E antes de escolher por conta própria ou por sugestão de alguém, o correto é buscar ajuda do seu ginecologista que está preparado para indicar a melhor escolha.

Pílula – Um dos contraceptivos mais usados, especialmente aqui no Brasil. é eficaz, mas precisa ser tomada diariamente para não correr risco.

DIU ou Mirena – para quem não pretende engravidar pelos próximos anos. Mas é especial para quem não consegue se regrar para tomar a pílula todo dia no mesmo horário. Se tiver doença sexualmente transmissível, é importante trata antes de colocar. Mulheres que possuem sensibilidade, também devem evitar o uso deste método.

Implante Subdérmico – É especial para quem não consegue regrar o horário e dia para tomar a pílula. Diminui o fluxo menstrual e deve ser trocado a cada 3 anos.

Adesivo – Só deve usar este método quem não tem problemas de dermatite ou alergia. Este adesivo deve ser trocado após 1 semana sobre a pele. E é contraindicado para pessoas com mais de 90 quilos.

Injeção – Pode ser aplicada a cada mês ou a cada 3 meses, e é uma excelente alternativa para quem esquece facilmente. Mas, deve-se evitar o seu uso por muito tempo, pois poderá causar uma disfunção na menstruação, sendo que a mulher poderá ficar menstruada por mais de 20 dias sem parar.

DIU de prata – Numa combinação com cobre e prata, este traz a ideia de menor oxidação. Assim as mulheres poderão ter menos cólicas e diminuição no fluxo menstrual.

O grande diferencial deste é que não tem hormônio. E a prevenção se dá pelos íons de cobre que formam uma barreira, evitando a motilidade dos espermatozóides, impossibilitando a fecundação do óvulo. Uma boa opção para quem tem problemas com os hormônios.

Agora você já tem a resposta para esse questionamento Como saber se o anticoncepcional está fazendo mal.  Só precisa investir num bom ginecologista para te ajudar a escolher o melhor método contraceptivo para você.

Afinal, não basta se jogar no primeiro que conhecer, e ficar sofrendo os efeitos negativos. é preciso unir prevenção com qualidade de vida.

 

 

Leia também: