Anticoncepcional permitido durante amamentação

É complicado saber qual é o anticoncepcional permitido durante amamentação, porque a mãe precisa se concentrar nos cuidados com o bebê, amamentá-lo corretamente para que aconteça o bom desenvolvimento.

Mas bem por isso surgem tantas dúvidas quanto ao uso do anticoncepcional, uma vez que nenhuma mãe quer prejudicar seu bebê.

A verdade é que segundo alguns especialistas, não há problemas no uso de pílula, exceto algumas ressalvas. A amamentação é um perídio que traz benefícios tanto ao bebê, quanto a mãe que terá seu organismo de volta ao normal mais rapidamente.

Outro fator importante é quanto a própria amamentação ser um meio contraceptivo. Nem sempre isso é tão seguro assim, pois somente as mulheres que amamentam muitas vezes ao dia e que o fazem diretamente no seio é que estarão seguras de que evitarão uma gravidez.

O movimento de sucção que o bebê faz é o que estimulará a produção da prolactina para garantir um meio contraceptivo. As mães que retiram o leite para depois não estarão isentas de uma possível gravidez.

anticoncepcional na amamentacao

Como escolher o anticoncepcional quando estiver amamentando

 

Nenhuma mulher deve tentar uma próxima gravidez antes de 1 ano depois da última gestação. Isso se justifica devido a diversos fatores como necessidade da recuperação física da mulher, para estabilização emocional da mulher e também pela própria correria que ela terá com o bebê neste primeiro ano de sua vida.

Com todas essas justificativas, o mais correto é mesmo adotar um método preventivo a uma próxima gravidez. Mas é importante atentar a alguns pontos que serão de fundamental importância na hora de decidir pelo melhor método contraceptivo.

1 – Você mãe só poderá adotar algum tipo de contraceptivo após os 40 dias depois do nascimento do bebê. É importante respeitar esse período de dieta.

2 – Fique atenta aos componentes do seu contraceptivo, pois nem todos servem para quem está amamentando ( veja mais abaixo quais são as formulações ideais )

3 – As fórmulas com estrogênio não devem ser usadas neste período de maneira alguma. isso porque fazem com que o leite materno se seque.

4 – anticoncepcionais feitos a base de progesterona são os mais indicados, pois não interferem na produção de leite materno e também não interfere na composição do leite.

Amamentação contínua como método contraceptivo

 

Apesar de não ser 100% seguro, o fato de a mãe amamentar sempre que a criança tiver o desejo, pode contribuir bastante para que ela não engravide novamente. Com isso, os benefícios serão reais tanto para a criança como para a própria mãe.

Mas para que esse método seja realmente seguro, com poucos riscos, é importante que a mãe não só espere para que a criança peça o peito, mas incentive-o para as mamadas a qualquer hora do dia ou da noite.

É claro que por conta do trabalho fora de casa, poucas são as mães em nossos dias que podem, de fato, apostar nesse método contraceptivo natural o que, sem dúvidas, é uma pena.

Anticoncepcionais mais conhecidos e usados durante a amamentação

 

Minipil – é também a base do hormônio progesterona, muito indicada para parturientes e mulheres que estão amamentando. Trazem um preço relativamente baixo.

Micronor – esse anticoncepcional é a base de Noretistorona que é uma derivada da progesterona, que com uma cartela de 21 pílulas deve ter uma pausa de 7 dias. é de baixa dosagem hormonal.

Cerazette – a base de progesterona sintética, tendo como princípio ativo o progestágeno isolado desogestrel. Este anticoncepcional deve ser usado continuamente.

Depo Provera – com base na progesterona este é um medicamento injetável que pode atuar no organismo até 3 meses. Mas, é importante ter uma cuidadosa indicação médica, uma vez que em qualquer emergência não poderá ser detida no meio do tratamento.

A pílula faz mal para o bebê?

 

Por não ser um método 100 % seguro o ato de amamentar com frequência como método contraceptivo, muitas mulheres, preferem arriscar com um anticoncepcional permitido durante amamentação.

Porém, é importante evitar esse medicamento, fazendo uso de DIU ou preservativos.

Se não for assim, pelo menos que se opte por pilulas preparadas com o hormônio Progestagênio, pois estas, não interferem na qualidade e nem na produção do leite materno.

Mesmo assim, antes de agir, é importante buscar pela recomendação de um médico que, depois de alguns exames necessários, aconselhará com maior segurança o melhor contraceptivo.

Sobre os anticoncepcionais a base de Estrogênio, é importante que as mães saibam que estes, além de comprometer a saúde delas próprias, também prejudicarão o desenvolvimento do bebê. O hormônio Estrogênio contribui para a diminuição na produção e na qualidade do leite materno.

O uso da pílula com o hormônio Progestagênio poderá começar a partir de 15 dias após o parto, porém, não existe uma regra para isso. Apenas é preciso atentar para que as relações sexuais reiniciem com segurança, depois de 15 dias do início da administração do medicamento.

O uso da pílula mesmo durante a amamentação deverá ser diário e sempre em um mesmo horário e sem intervalos entre as cartelas. Depois então que o bebê perder o desejo de se alimentar do leite materno, a mulher deverá voltar a usar o anticoncepcional com 2 hormônios.

Porém, antes de mudar de contraceptivo, será necessário buscar pelos conselhos do médico ginecologista para que este aconselhe o melhor medicamento, agora com os 2 hormônios, que evitará uma nova concepção.

A mulher consegue emagrecer tomando a pílula?

Ao contrário do que muita gente imagina, o uso de pilulas anticoncepcional não são uma causa direta para ganhar peso. É bem verdade que elas não contribuem para emagrecer, mas engordar, apenas quando não utilizadas de forma correta.

Quando a mulher faz uso de contraceptivos de forma errada, estes promovem o acúmulo de líquidos no corpo e, consequentemente o ganho de peso.

Por isso, é imprescindível que se busque por aconselhamento médico antes de começar a fazer uso dessas drogas. O médico ginecologista, após avaliar o quadro clínico da paciente e apontar os prós e contras de um medicamento, saberá recomendar a melhor opção sem causar danos maiores à mulher.

Mais do que se preocupar com o contraceptivo com os riscos de ganhar peso, a mulher precisa observar o seu estilo de vida. Por isso, é importante saber escolher as melhores opções em alimentos diários e também praticar atividades físicas frequentes.

Implante Implanon Subcutâneo

 

Implanon é um pequeno bastão plástico que é colocado logo abaixo da pele. Esse bastão contém 68 mg de Etonogestrel. Assim, uma pequena quantidade desse hormônio feminino é liberada continuamente para a corrente sanguínea agindo como um poderoso contraceptivo.

Esse implante age por u período de 3 anos e suas funções no organismo feminino é impedir a liberação do óvulo do ovário e também dificultar a entrada do espermatozoide no útero.

Porém, como todo medicamento, também esse implante cuja substância ativa penetra na corrente sanguínea, tem seus efeitos adversos e contra-indicações.

Por isso, nada de se auto-medicar. Antes de começar a usar esse anticoncepcional permitido durante amamentação, é preciso buscar pelo aconselhamento de um ginecologista responsável.

Após então, uma avaliação do quadro clinico da paciente o médico poderá recomendará o tratamento com segurança.

Prós e contras dos anticoncepcionais em fase de amamentação

 

  • Os contraceptivos injetáveis – podem trazer algumas reações como sonolência, aumento e sensibilidade das mamas, aumento de peso e escapes. Quando há excesso ou diminuição, poderá ser comuns acontecerem vestígios de menstruação que aparecem em tom amarronzado. Mas, é importante você saber que se isso for persistente, você deverá buscar orientação médica para quem sabe a troca do medicamento ou um ajuste na dosagem. É comum também acontecerem as dores nas pernas, inchaço do abdômen, cólicas, dores de cabeça e sensação de peso.

  • Nunca queira usar um anticoncepcional por sua própria conta, pois cada organismo precisa de uma quantidade específica para o bom funcionamento, então deve ter a orientação médica.

  • Mesmo depois de estar com o contraceptivo orientado, é importante tomar pelo menos por 20 dias antes de voltar a atividade sexual normal. Isso porque o corpo pode levar alguns dias até que se adapte a composição.

  • Se você tomar as pílulas de uso contínuo, provavelmente ficará sem menstruar ou ainda poderá ter vários sangramentos durante um mesmo mês.

  • Pode acontecer a retenção de líquido.

  • Pode também acontecer a diminuição do leite materno.

DIU hormonal ou não ou implante

Com respeito às dúvidas quanto ao DIU Hormonal ou o uso de implante contraceptivo, na verdade, as vantagens são bem semelhantes. Porém, com respeito a eficácia, ainda o implante contraceptivo, colocado logo abaixo da pele no braço, é a melhor opção.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o implante contraceptivo oferece apenas 0,05% de possibilidade de falhas. Já o SIU apresenta 0,2% de chances de falha e o DIU de cobre 0,8% de possibilidades de falhar e não prevenir uma concepção.

Além disso, sobre esses métodos contraceptivos, poucas são as mulheres que, de fato, não poderão usá-los. Ademais, por não apresentarem o Estrogênio, esses métodos podem ser utilizados pela mulher, mesmo durante o período de amamentação.

Preservativo

O Preservativo ou “camisinha” como é mais conhecido, seja a masculina ou a feminina, é um método contraceptivo que aparentemente oferece muitas vantagens. Porém, é importante lembrar que, especialmente para os homens, a condição é a mesma do que chupar bala com o envólucro.

Além disso, já existem estudos que comprovam a não satisfação tanto por parte das mulheres como por parte dos homens quando o ato sexual é feito com o preservativo.

Também não podemos esquecer de que, dependendo da marca, esses contraceptivos podem se romper e provocar uma concepção indesejada.

É bem verdade que, para os homens e mulheres que praticam o sexo ilícito, essa é a forma mais fácil de prevenir não apenas a gravidez, mas também as doenças venéreas. Por isso, sem dúvidas, é a solução mais viável em algumas situações.

Anel vaginal

 

Mais um método contraceptivo que garante suas vantagens, o Anel Vaginal é fabricado de polietileno vinil acetato muito flexível. Esse anel é introduzido na vagina e a partir daí, libera vagarosamente o hormônio Progesterona e Estrogênio no corpo da mulher para evitar que os ovários liberem os óvulos.

Além disso, a sua ação torna o muco cervical mais espesso, o que impede ao espermatozoide de alcançar o óvulo que certamente causaria a concepção.

O anel vaginal tem prazo de validade de 21 dias quando então deverá ser retirado. Depois disso, faz-se um intervalo de 7 dias para  ser introduzido outro anel para agir por mais 21 dias.

Considere a Laqueadura

 

A Laqueadura para evitar a gravidez, pode até ser recomendada, desde que a mulher já tenha filhos, pois trata-se de um método irreversível. Além disso, existem casos em que, de fato a mulher corre risco de vida se engravidar e, por isso, o médico poderá recomendar essa cirurgia de ligamento das trompas.

Então, é importante você ter a consciência de que a amamentação diminui as chances de engravidar, e mesmo que algumas mulheres fiquem totalmente imunes, isso não quer dizer que aconteça para todas. Por isso é importante, se você não quer uma gravidez imediata, prevenir de todas as maneiras possíveis.

Mas, não use nada que possa prejudicar o seu bebê. Afinal de contas, a amamentação é um momento tão especial entre a criança e a mãe, que não se compara a nenhum outro momento, e vale a pena cuidar ao máximo para que este momento seja de total qualidade.

Então, você que é mãe, fique de olho. Não vá na conversa de ninguém a não de um bom médico para que tudo possa ter o máximo de garantia. Ok?

Leia também: