Marido com Astenozoospermia é possível Engravidar?

Muitos casais que sonham em ter filhos, ficam decepcionados a cada tentativa que não dá certo e ficam se perguntando o porquê de a concepção não acontecer. Sabemos que problemas existem, mas qual é a verdadeira causa para a gravidez não acontecer?

Muitos homens podem até não acreditar, mas muitas vezes, o problema está só com eles e, nesse caso, uma das causas é o marido com Astenozoospermia, um distúrbio presente no homem que em geral, não oferece esperança de cura.

O que é

Denominamos de Astenozoospermia uma complicação no aparelho reprodutor masculino que causa a diminuição da movimentação dos espermatozoides.

Esse transtorno pode ter causas bem diversas, entre elas podemos destacar:

  • Possíveis infecções com presença de Leucócitos no fluído seminal.
  • Obstruções parciais que por vezes acontece depois de uma cirurgia de reversão de vasectomia.
  • Períodos longos sem uma ejaculação.
  • Defeitos de estrutura da cauda do espermatozoide.
  • Síndrome de Kartagener.
  • Consumo excessivo de álcool ou outras drogas
  • Exposição a alguns tipos de agentes tóxicos como solventes químicos ou fertilizantes
  • Febre alta
  • Idade avançada (a mobilidade diminui bastante a partir dos 45 anos)
  • Alimentação errada
  • Exposição excessiva e prolongada ao calor
  • entre outras causas.

Como Diagnosticar

Para detectar esse distúrbio no homens, o médico irá solicitar um exame de Espermograma. Com esse exame é possível fazer uma contagem de espermas e também avaliar a saúde produtiva do paciente.

Esse exame é feito com a coleta do esperma e para isso o indivíduo precisará se masturbar. Essa masturbação deve ser feita com 2 ou 3 dias de abstinência sexual e conforme a orientação médica e o material deve ser colhido pela manhã no domicílio, no laboratório ou então no hospital.

A Astenozoospermia é caracterizada quando no exame de Espermatograma a porcentagem de espermatozoides móveis progressivos e não progressivos correspondem  a menos de 40% do total ou então quando a porcentagem de espermatozoides progressivos seja inferior a 32%.

Níveis Normais

Parâmetros seminais                Valores de referência

Volume                                            Igual ou maior que 1,5 ml

PH                                                      Entre 7,2 e 8,0

Cor                                                      Branco com tonalidade leitosa

Liquifação                                       Igual ou maior que 30 minutos e completa

Viscosidade                                     Normal

Concentração de espermas      Igual ou maior que 15 milhões de espermas                                                                     por milímetro de sêmen

Número total de espermas       Igual ou maior que 30 milhões de espermas                                                                    por ejaculação

Motilidade                                        32% ou mais de de espermas móveis                                                                                   progressivos ou 40% ou mais de espermas                                                                       móveis totais

Morfologia                                        4% ou mais de espermas com formas                                                                                  normais

Vitalidade                                            58% ou mais com formas vivas.

Tem Cura?

O tratamento para esse distúrbio no homem vai depender muito da sua gravidade e também das possibilidades do sucesso a serem alcançadas. Um tratamento com medicamentos pode até ser experimentado em alguns desses casos, mas para situações mais complicadas, não existe outra saúde senão uma inseminação artificial no caso do sonho de perpetuar a descendência.

Ainda assim, para isso, será necessário existir espermatozoides saudáveis para alcançar o óvulo a fim de fecundá-lo.

Quando esse distúrbio é mais leve e moderado

Para aumentar a velocidade do esperma e começar a resolver esse problema da motilidade dos espermas, é preciso que o homem tenha uma vida saudável, e isso, em todos os sentidos, a começar pela alimentação.

Deve-se abandonar o vício do álcool e outras drogas e reduzir a exposição ao calor. Essa conduta aumenta bastante as esperanças para estes indivíduos se tornarem férteis novamente, mas isso, quando o problema é bem moderado.

Conclusões da OMS

Segundo a (OMS) Organização Mundial da Saúde, uma amostra de sêmen com 40% de espermas móveis ou com 32% de espermas com mobilidade progressiva é considerado perfeitamente normal. Porém, níveis inferiores a estes caracterizam um problema mais sério de fertilidade.

Nessas situações, os homens que pretendem perpetuar sua descendência devem buscar por uma clínica especializada em reprodução assistida. Conforme a gravidade da Astenozoospermia os profissionais médicos recomendarão tratamentos mais apropriados como a Fertilização In Vitro ou então uma Injeção Intra-citoplasmática de Espermas.

Como Engravidar nestes casos?

Sabendo das dificuldades que um marido com Astenozoospermia tem para engravidar, resta a saída a esperança das fertilizações artificiais.

Os tipos de fertilização artificial mais comuns são: Fertilização intra-uterina e fertilização in-vitro que são tratamentos que envolvem a super ovulação e a fertilização através de uma injeção de espermatozoide.

A Fertilização Intrauterina é caracterizada pela colocação de espermatozoides diretamente no útero da mulher facilitando com isso, o encontro destes com o óvulo. Apesar de muita gente entender esse tipo de fertilização como que sendo com um esperma de outro homem, é perfeitamente possível aproveitar os espermas do próprio marido, a menos, que este não consiga produzir os espermas.

Já para o caso da Fertilização In Vitro, o processo de fertilização se dá com a retirada dos óvulos do útero da mulher para serem fertilizados com os espermatozoides e depois se desenvolverem em laboratório. Mais tarde, os embriões são selecionados para daí então, serem implantados de volta no útero da mulher para que possam se desenvolver no ventre materno.

Esse tipo de fertilização artificial também é conhecido como “Bebê de Proveta”.

Esse tipo de tratamento não é barato, pois exige uma variedade de exames e um acompanhamento médico constante, mas para marido com Astenozoospermia em situação mais grave, não existe outra solução se realmente deseja perpetuar a sua descendência.