Baixo Peso do Bebê, O que Fazer para ganho do Peso

É bastante comum acontecer o Baixo Peso do Bebê ao nascer. E entre as principais causas deste problema, está justamente a prematuridade ao nascer. Ou seja, o nascer antes do tempo. Basta algumas semanas antes e já poderá comprometer. E  o pior é que há alto índice de mortalidade nestes casos.

Hoje existem muitas pesquisas sobre o assunto, e através delas tenta-se identificar quais são as consequências do nascer com pouco peso.

O que se sabe é que quanto menor o peso do bebê, maiores são as complicações. E as chances de sobrevivência deste ser são ainda mais baixas.

 

Sintomas Apresentados

 

Um bebê pode ser considerado abaixo do peso quando ao nascer traz peso inferior a 2,5kg. Muitas vezes, este baixo peso pode estar relacionado ao nascimento prematuro. Outras vezes, ao desenvolvimento inadequado, enquanto no útero materno.

baixo peso na gestacao Baixo Peso do Bebê, O que Fazer para ganho do Peso

Os bebês que nascem com baixo peso, geralmente:

  • Apresentam maiores índices de mortalidade, podendo chegar até 80% dos caso no país
  • Possuem baixo volume cerebral
  • A cabeça de um recém nascido abaixo do peso parece maior do que o restante do corpo
  •  Quase todos os bebês com baixo peso ao nascer precisam de cuidados especiais como Terapia Intensiva Neonatal, geralmente ficando por um bom tempo nesta unidade
  • Ele pode ter dificuldades em se alimentar
  • Incapacidade de manter a temperatura corporal
  • Sujeito a infecções
  • Dificuldade de ganhar peso
  • Síndrome do desconforto respiratório
  • Problemas neurológicos
  • Problemas gastrointestinais
  • E pode estar mais sujeito a temida síndrome da morte súbita
  • Falta de ar ao nascer
  • Síndrome da angústia respiratória
  • Enterocolite necrotizante
  • Infecção
  • Hipoglicemia
  • Aumento de risco de resistência a insulina

 

Pesos e medidas de bebê até 2 anos

 

Apesar de não ser um fator determinante, a tabela de pesos e medidas serve como parâmetro para conferir se a criança está com as medidas adequadas.

Ao utilizar essa tabela, não existem segredos, pois você só precisa ficar de olho nas referências ao sexo do bebê.

Caso os valores estejam entre o mínimo e o máximo da curva, e continue ascendendo, as chances de alguma doença são pequenas. Porém se os valores estiverem fora dos apresentados na tabela, o correto será agendar uma consulta.

A consulta deverá ser o mais rápido possível, devendo ser com um pediatra ou ainda melhor, com um endocrinologista pediatra, para saber o que está acontecendo.

Porém uma coisa é certa, essa tabela não irá substituir uma consulta médica.

Não dá para esquecer também de que deve-se pesar e medir a criança usando as técnicas corretas, e isso deverá ser por um profissional.

Ao consultar uma tabela, o ideal é sempre buscar por aquela de acordo com a Organização Mundial da Saúde, que é mais confiável.

 

Baixo peso na Gestação

 

 

Acontece que o baixo peso do bebê ao nascer, geralmente acontece por problemas relacionados a desnutrição durante a gestação, anemia, tabagismo, hipertensão, alcoolismo.

A mãe que pesa menos de 50 kg antes de engravidar, também pode trazer problemas de aumento de peso para o feto.

Mas ainda existem outros fatores como:

  • Desprendimento ou descolamento da placenta
  • Baixa recepção de oxigênio pelo feto
  • Baixa circulação sanguínea
  • Infecções
  • Estress
  • Uso de drogas
  • Dieta inadequada
  • Falta de acompanhamento pré natal
  • E ainda mães muito jovens, menores de 17 anos
  • Ou mais maduras, maiores do que 35 anos

 

Fatores de risco

 

 

Existem ainda os fatores de risco que são:

  • Baixo peso da mãe ao engravidar – peso abaixo de 50 kg
  • Pouca idade da mãe
  • Trombofilia
  • Anemia profunda
  • Hipóxia materna
  • Descolamento da placenta
  • Deformações uterinas
  • Múltiplos nascimentos

Mas uma das maiores causas do bebê nascer com baixo peso é justamente o fato de nascer antes de completar 37 semanas de gravidez.

Bebês com anomalias congênitas ou anormalidade cromossômica  também tem maiores chances de nascer com baixo peso.

Causas do baixo peso no bebê

O bebê considerado com baixo peso, é aquele que nasce com peso abaixo de 2,500 gr. E por incrível que pareça, ainda não se tem uma certeza de quais sejam as causas deste baixo peso.

E o questionamento se dá, justamente pelo fato de que o baixo peso não acontece somente com bebês de mães desnutridas. Mas pode acontecer também com bebês de mães perfeitamente saudáveis e que tiveram uma gestação maravilhosa.

Agora, o que se percebe que algumas situações que podem levar o bebê ao peso baixo são:

  • Razões maternas – pressão arterial elevada, tabagismo, anemia, desnutrição, alcoolismo;
  • Complicações na gestação – Desprendimento da placenta, pouca oxigenação do feto, infecções, fluxo sanguíneo insuficiente;
  • Outros – Estresse, dieta deficiente, falta de acompanhamento pré natal adequado;
  • Fatores naturais – Mães com idade abaixo de 17 anos ou acima de 35 anos.

Importante – Hoje já se pode saber sobre este problema no 2º e 3º trimestre de gestação. Isso através do acompanhamento do peso do bebê. Caso a altura uterina não seja condizente, pode-se suspeitar de que está acontecendo algo errado.

Apesar de tudo, é importante levar em consideração o biotipo dos pais e o tamanho da placenta.

 

O que fazer se o bebê está com baixo peso?

 

A primeira coisa que uma gestante tem a fazer, é ter a consciência, caso use álcool, tabaco e drogas. Estes afetam o desenvolvimento do feto em potencial. Portanto devem ser abandonados.

Além disso, é importante que a gestante:

  • Beba mais ou menos 3 litros de água diariamente;
  • Coma bem, se preciso de 3 em 3 horas;
  • Repouse o mais que puder.

O bebê nascer com baixo peso,  é bastante comum, e inclusive é um problema que tem a ver com a mortalidade, sendo que a principal causa é o nascimento prematuro.

As consequências de um bebê com baixo peso

As consequências geralmente são drásticas, e quanto menor o peso do bebê, maiores serão as complicações. Primeiro que ele não terá a mesma resistência que um bebê em condições normais.

E ainda, é bem provável que tenha dificuldades com a alimentação e problemas respiratórios. E mais, por falta de gordura suficiente no seu corpo, fica complicado manter a temperatura adequada.

Além do mais, poderá ter outros problemas como:

  • Problemas respiratórios – comum em bebês que nascem com menos de 34 semanas. A síndrome do desconforto respiratório.
  • Problemas neurológicos – o principal risco é a hemorragia cerebral.
  • Problemas gastrointestinais – A enterocolite necrosante – bastante comum em prematuros.
  • Dificuldade de manter a temperatura corporal – devido a pouca gordura.
  • Retinopatia – problema que afeta os vasos sanguíneos dos olhos.
  • Imaturidade hepática.
  • Imaturidade do sistema imunológico.
  • Síndrome da morte súbita

 

Leites de Fórmula até os 6 meses

 

 

O leite materno é a melhor maneira de sustentar um bebê de maneira completa. Uma vez que até mesmo a água está presente nesta rica composição, para manter seu bebê bem hidratado.

Se bem que existem outros benefícios ainda de um aleitamento materno, que é especialmente indicado por especialistas nos casos de bebês  prematuros, especialmente o colostro que:

  • Fortalece a musculatura
  • Previne alergias
  • Fortalece o vínculo com a mãe entre outros fatores

No entanto, em casos onde existe a impossibilidade deste  tipo de aleitamento materno, é viável a adoção de fórmulas que podem substituir.  Como as que são produzidas a partir do leite de vaca, mas modificadas e enriquecidas de forma a nutrir o bebê com tudo o que ele precisa.

Vamos conhecer alguns tipos:

Prematuros -Especialmente elaborado para este tipo de bebês, estas fórmulas são preparadas para facilitar a digestão. Pois vem trazendo mais proteínas, adição de graxos específicos e gorduras para colaborar no desenvolvimento perfeito do cérebro, visão e psicomotor.

De fato,  a  maior parte dos leites hoje são preparados de maneira a atender as necessidades infantis. Temos as versões o Nan e Enfamil que são as mais comuns e muito indicados, trazendo diferentes fórmulas para atender as diferentes necessidades:

  • AR – antirefluxo
  • Sem lactose
  • HA – hipoalérgicas
  • Proteínas extensamente hidrolisadas
  • De soja, entre outras
  • DHA e ARA que favorecem o desenvolvimento mental e visual
  • Também os com prebióticos que favorecem a microbiótica intestinal de maneira favorável

 

Papinhas Saudáveis

 

As papinhas saudáveis podem ser dadas a partir do sexto mês de vida, pois até então, basta o leite materno ou artificial.

Certamente, que existem muitas opções de alimentos que podem ser introduzidos. E obviamente que estas poderão ser feitas  de carne de frango, mandioquinha, abóbora, cenoura, batata. E ainda beterraba, cebola e alho, agrião, tomate, repolho, couve, espinafre, entre outros,  tudo bem cozidinho e esmagadinho.

Da mesma forma, podem ainda ser feita papinhas de frutas como banana, maçã, pera, e tantas outras frutas que são saudáveis e garantem muitos nutrientes.

 

Comidinhas Sólidas Amassadas

 

 

A princípio, na transição entre a papinha e a comida sólida que se dá lá dos 9 aos 12 meses de vida, é importante que o que era tudo amassadinho antes, comece a ter pedacinhos inteiros dos alimentos.

É possível encontrar resistência na aceitação da comida sólida, mas jamais deverá esta ser substituída por leite ou outro tipo de alimento como guloseimas e outros.

Certamente, a  introdução de alimentos sólidos deve ser aos poucos até que sem perceber a criança comece a comer e atuar com a mastigação. Ainda assim, nada muito pesado ou de difícil digestão.

Todavia, sem sombras de dúvidas, é hora de o bebê começar a comer a comida da família, somente sem sal e de maneira que não seja arriscado para este comer.

Aqui estamos tratando daquela alimentação que a criança deverá tomar junto com a família. O fato é que esta deverá apenas tomar uma consistência mais adequada, quem sabe esmagando com um garfo ou algo assim.

Mas o fato é que isso deve começar quando o bebê está na fase dos 9 aos 12 meses de vida. Claro que é importante que essa transição da papinha para os sólidos deverá ser de forma gradativa.

Outra coisa, que é de fundamental importância, é que os hábitos alimentares dos pais, obviamente serão seguidos pelo bebê. Portanto, este deve ser variado, colorido e rico em nutrientes e que sejam alimentos frescos.

Por outro lado, o cheiro da comida, a alegria e descontração familiar em torno da mesa neste momento, tudo leva a incentivar o bebê a se alimentar adequadamente.

Frutas

As frutas estão, primordialmente, entre os alimentos sólidos que devem ser oferecidos ao bebê. E entre elas temos algumas que geralmente são bem aceitas como a maçã, banana, abacate, manga, morango, entre outras.

Obviamente que estas podem ser descascadas e raspadinhas ou amassadas para dar a criança. Elas oferecem muitos nutrientes essenciais para a nutrição da criança.

Bom, o Baixo Peso do Bebê, com certeza, é algo bastante preocupante, e deve ser levado a sério. Como já vimos, este é um problema que pode até levar a morte, se não for tratado.

Para evitar que isso aconteça, é de suma importância  fazer o acompanhamento médico desde os primeiros dias de gestação. Se alimentar adequadamente, e abster-se de tudo o que possa ser prejudicial.

 

Leia também:
5 importantes Exames de rotina para gestantes (Pré natal)

Depressão Pós Parto: O que é preciso ser Feito

Remédio para ENGRAVIDAR aumenta fertilidade ( tratamento funcional )

Refluxo no bebê entenda o que é e o que Fazer

O Tamanho da barriga mês a mês na gravidez, conheça