Caxumba em Bebê e criança Pequena, Tratamento

Existem muitas infestações virais que podem acometer o ser humano, causando doenças bem variadas, algumas menos preocupantes, outras então mais complicadas que podem causar muitos danos à saúde.

Entre essas doenças podemos destacar a Caxumba que é muito comum acontecer ainda na infância e a menos que seja tratada poderá se agravar e confirmar muitos constrangimentos.

Sobre a Caxumba em bebê e criança pequena, vamos então, tecer alguns comentários para torná-la mais conhecida.

O que é

 

A Caxumba é uma doença infecciosa que pode afetar as glândulas Parótidas  produtoras da saliva e que estão localizadas entre as orelhas e à frente delas. Além disso, também pode afetar as glândulas Submandibulares e Sublinguais que também se localizam perto do ouvido.

Ainda que muito comum nas crianças, as complicações provocadas pela caxumba, nesse caso são muito raras. No entanto, quando acometem as pessoas adultas, as complicações podem existir com maior facilidade trazendo maiores constrangimentos.

Também conhecida como “Papeira” ou “Parotidite”, esse é um tipo de doença que costuma acontecer principalmente nos meses de inverno e primavera e pode ser classificada como altamente contagiosa.

A Caxumba é uma doença que pode ser prevenida com a vacinação, no entanto, quando contraída, praticamente não tem como tratar.  Então, a solução é controlar os sintomas e atentar para alguns cuidados e evitar os riscos da evolução da doença.

Não existe como tratar a Caxumba, mas é possível se prevenir com a vacinação e tratar os sintomas. Fora isso, para pessoas com a doença é preciso atentar para alguns cuidados para evitar riscos de uma complicação.

Como é a Transmissão

 

O vírus causador da Caxumba é o Paramixovírus que é transmitido pelas vias respiratórias. Na verdade, é mais precisamente pela inalação de gotículas do espirro ou da tosse de uma pessoa infestada que ocorre o contágio.

Em geral, o tempo para o surgimento do inchaço nas glândulas salivares ocorre num período de 14 a 21 dias, depois que acontece o contato com o agente causador da infecção.

Um dos perigos da doença é que nem sempre o indivíduo apresenta sintomas. Além disso, mesmo sem saber, pode passar a contaminação para outros por um período de 6 dias até que perceba algum sintoma.

De acordo com esses dados, podemos perceber que fica bem difícil um indivíduo se prevenir.

Portanto, para pessoas que não se preveniram com a vacina, ficam bastante susceptíveis a uma combinação. Para que isso aconteça, basta conversar de perto com alguém que se encontra contaminado.

Ademais, precisamos esta cientes de que uma forma bem propícia para a contaminação é o beijo, tão normal entre os seres humanos em nossos dias. Como se não bastasse, também o compartilhar de utensílios como copos, talheres e pratos, pode contribuir para o contágio.

A princípio, é possível que apenas um lado das glândulas seja afetado. Todavia, passados alguns dias, também o outro lado poderá inflamar, porém, essa condição varia de uma pessoa para outra.

Inicialmente, é possível que apenas um lado das glândulas seja afetado, mas, passados alguns dias, o outro lado também pode acabar inflamado, mas isso varia de pessoa a pessoa

Sintomas Apresentados

 

Algumas pessoas podem estar com a doença e nem saberem disso, uma vez que, nem sempre a contaminação aponta sintomas imediatos. Além disso,  existe o risco de os sintomas da caxumba, serem confundidos com outra doença.

Em geral, quando os sintomas da Caxumba se manifestam, isso costuma ocorrer após 2 ou 3 semanas do contato com o vírus. Como resultado do contágio surgem sintomas como:

  • Inchaço das glândulas salivares – sinal mais característico da doença e pode acontecer em ambos os lados,
  • Febre
  • Dor de cabeça,
  • Fadiga e sensação de fraqueza,
  • Perda do apetite,
  • Dor ao mastigar e engolir.

Quando se tem alguma noção de cuidados que se deve tomar com a Caxumba, a visita ao médico até pode ser adiada. Porém, se algum dos sintomas citados acima, estiver ocorrendo com maior intensidade, certamente que será melhor buscar a ajuda médica.

Entretanto, existem outros sinais ou sintomas que sugerem uma complicação maior da doença e com a presença destes, é importante buscar por ajuda médica com urgência. Veja a seguir:

  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Rigidez na nuca;
  • Dor abdominal (Pancreatite);
  • Dor e inchaço nos testículos (Orquite) ou na região dos ovários (Ooforite);
  • Dor de cabeça;
  • Dor e inchaço nos testículos (orquite) e na região dos ovários (ooforite).

O que acontece se não Tratada

 

Quando a Caxumba não é tratada ou é tratada de forma errada, podem surgir complicações. Algumas dessas complicações podem ser bem severas e, algumas delas, com riscos de comprometer o bem estar do indivíduo para o resto da vida. Veja a seguir:

  • Meningite,
  • Infertilidade,
  • Pancreatite,
  • Surdez,
  • Aborto instantâneo em mulheres gestantes,
  • Infecção da Tireoide,
  • Complicações no cérebro,
  • Complicações nos rins,
  • Problemas cardio-vasculares,
  • entre outras complicações.

Além disso, homens e mulheres que não se cuidam com a Caxumba, podem se tornar inférteis para o resto da vida. Por mais que se busque por uma solução, ainda não se conhece um tratamento que reverta esse quadro.

Exame para Diagnóstico

 

Caso exista alguma suspeita de Caxumba, ao visitar o médico, este irá colher uma amostra de sangue para diagnosticar a presença ou não da doença. Isso só é possível porque o sistema imunológico produz anticorpos para combater a infecção.

Uma vez que os anticorpos  circulam pelo sangue, se acaso, existir a doença no organismo, através de uma amostra desse sangue, o médico poderá comprovar.

Uma vez que se comprova a presença de anti-corpos que combatem o Paramixovírus, descarta-se a ideia de outras doenças que costumam apresentar alguns dos sintomas parecidos com a Caxumba.

Tratamento Indicado

 

Como a maioria das infestações virais, também para a Caxumba em bebe e criança pequena não existe um medicamento específico. Felizmente, essa é uma doença que costuma desaparecer naturalmente, desde que se observem os cuidados necessários.

Portanto, quando se fala em tratar uma criança ou mesmo um adulto que está com Caxumba, na verdade, a intenção será aliviar os sintomas. Com a finalidade de aliviar a dor ou a febre, o médico poderá recomendar um analgésico ou antipirético mais específico.

A menos que surjam algumas complicações no que diz respeito aos cuidados com a Caxumba, essa doença costuma desaparecer em u período de 15 dias.

Cuidados necessários

 

A fim de evitar que a Caxumba “recolha” e cause então as complicações citadas mais acima, é importante tomar alguns cuidados, tais como:

  • Repouso – essa é regra áurea para quem está com caxumba.  Acima de tudo, é necessário guardar repouso e se manter mais isolado de outras pessoas para evitar que elas sejam contagiadas. 
  • Cuidados com a higiene bucal – isso também é importante para evitar uma possível infestação secundária por bactérias e outros micro-organismos. Quando o indivíduo está com Caxumba, o sistema imunológico se encontra enfraquecido e, por isso, essas infestações podem acontecer.
  • Cuidar da alimentação – entre os alimentos mais nutritivos, é importante optar por líquidos ou semi-líquidos. Prefira sempre os alimentos fáceis de serem engolidas.
  • Sucos e alimentos mais sólidos ácidos devem ser evitados. Como resultado de ingerir esses alimentos, ocorre o aumento da secreção da Parótida, provocando mais dor.
  • Cuidar para não se molhar demais. Ainda que seja necessário para a saúde, deve-se evitar banhos frios e, além disso, não devem ser demorados.

Ainda com respeito a esses cuidados, é importante não sair de casa em dias mais frios ou durante à noite. Ademais, cuidado com o “choque térmico”.

Apesar de todos esses cuidados, em geral, eles são mais exigidos para os primeiros 7 dias de contágio. A partir daí, o indivíduo com caxumba poderá ficar mais tranquilo, pois os riscos de complicação praticamente não existem mais.

Quantas vezes ela acontece

 

Já comentamos aqui de que a Caxumba apresenta muitos constrangimentos. Quando acontece em crianças, estas ficam privadas de ir à escola e se o problema for com os adultos, todas as atividades diárias podem ficar comprometidas.

Por isso, quando se trata dessa doença, feliz daquele indivíduo que é afetado nos dois lados da face. Com toda a certeza, assim que o período normal da doença passar, ela ficará imune para o resto da vida.

Porém, para aqueles indivíduos que são contagiados e apenas um lado da face é afetado. Infelizmente, precisará enfrentar os transtornos de uma primeira fase da doença e ficar prevenido, pois é possível que algum dia ela se manifeste novamente.

Em geral, para combater a dor ou a febre os médicos costumam recomendar ou o Dipirona ou o Paracetamol. Porém, como todo medicamento químico, também estes podem oferecer alguns efeitos adversos.

Alguns efeitos adversos do Dipirona

  • Coceira,
  • Ardor na pele,
  • Vermelhidão,
  • Urticária,
  • Inchaços,
  • Falta de ar,
  • Alterações no batimento cardíaco,
  • Alterações nos valores do exame de sangue,
  • Anemia (em alguns casos mais raros).

Efeitos adversos do Paracetamol 

  • Erupções cutâneas,
  • Urticária,
  • Eritema pigmentar fixo,
  • Angioedema,
  • Choque anafilático.

Por isso, é imprescindível que se busque pela recomendação médica antes de começar a usar esses medicamentos. O profissional da saúde, primeiramente fará uma avaliação do quadro clínico do paciente para então, recomendar o medicamento com segurança.

Como se prevenir contra a Caxumba

 

A prevenção contra a Caxumba se dá através da vacinação. Assim sendo, a primeira dose da vacina Tríplice Viral que também protege contra a Caxumba deve ser administrada aos 12 meses de vida.

Além disso, já aos 15 meses, a criança deverá tomar a vacina Tetra viral, para proteger contra o Sarampo, Caxumba, Rubéola e Varicela. Essa vacina, é correspondente à segunda dose da vacina Tríplice que também traz um componente Varicela.

Se porventura, acontecer o atraso na vacinação, as crianças até 4 anos de idade ainda poderão receber a vacina com o componente da varicela. Depois disso, a partir dos 5 anos até os 29 anos de idade, ainda deve-se administrar mais 2 doses com a vacina Tríplice Viral.

Também é preciso lembrar que pessoas de 30 a 49 anos de idade deverão receber uma dose dessa vacina.

Ademais, quem já tomou as 2 doses da vacina já estará imunizado para o resto da vida. Portanto, para entender melhor, só deverá tomar uma terceira dose da Tríplice Viral, as pessoas que têm dúvidas quanto a administração da segunda dose.

Felizmente, são raros os caso em que ocorre uma reinfecção provocada pelo vírus da Caxumba. Geralmente, quando a pessoa é infectada uma primeira vez, sendo acometida nas duas faces, depois disso, ela não volta a ter problemas.

 

 


Vale a Leitura