Vacinas para Mulheres Gestantes Recomendadas e Indispensáveis

 

Para garantir o bem estar do filho que está para vir ao mundo, a futura mãe tem a responsabilidade de tomar algumas vacinas para mulheres gestantes. Se não for assim, certamente enfrentarão alguns riscos que podem comprometer a própria saúde e a saúde do feto.

Por isso, logo que a gravidez é confirmada, recomenda-se que a mulher tome pelo menos três vacinas, consideradas de real importância. Sobre essas vacinas, vamos então tecer alguns comentários.

Mas antes ainda de começarmos os comentários sobre as vacinas, vale ressaltar mais uma informação:

Existem riscos ao tomar as vacinas?

Ao contrário do que muita gente acredita, as vacinas para gestantes são muito seguras e, por isso, não causam problemas à saúde. Estas são produzidas a partir do vírus inativado.

E com respeito às vacinas para gestante, vale lembrar que as gestantes devem tomar também a vacina da Febre Amarela. Nesse caso, somente quando existe algum surto confirmado na região onde reside.

Ainda com respeito a essa vacina, primeiramente a mulher deverá ser avaliada pelo médico responsável pelo pré-natal. A vacina só deve ser administrada se, de fato, não comprometer a saúde da mulher ou do bebê.

Três vacinas mais importantes

  • Vacina Tríplice Bacteriana Acelular – essa vacina é recomendada para as gestantes com o intuito de proteger contra a Difteria, Tétano e Coqueluche.

Essa vacina protege a gestante e transfere anticorpos para o feto. Como resultado, ele ficará protegido nos primeiros meses de vida contra a bactéria Bordetella Pertussis.

  • Vacina contra a Hepatite B – a Hepatite B é transmitida de formas diferenciadas. Além disso, essa doença pode ser transmitida para o bebê durante o período de gestação ou amamentação.

Sabendo disso, é importante que as mulheres grávidas tomem a vacina e se mantenham prevenidas para evitar a contaminação.

  • Vacina contra o vírus Influenza – as mudanças que acontecem no organismo da gestante, pode comprometem o seus sistema de defesa. Com isso, ela fica mais vulnerável às complicações de uma infecção com a provocada pelo vírus Influenza.

Por isso, a vacina é recomendada para a gestante, principalmente nos meses entre final de outono e começo do inverno. Nesse período as possibilidades de contágio aumentam.

Benefícios das Vacinas

 

O principal benefício que as vacinas para gestantes podem oferecer são para elas também e com isso, estando elas saudáveis estenderão os benefícios para o feto.

Esses benefícios se estendem além do nascimento da criança, pois com a saúde da mulher, essa transmite os anticorpos para a criança ainda durante o período de amamentação, mais um motivo para que as mães se dediquem a alimentar seus filhos com o leite materno.

Infelizmente, em nossos dias, ainda existem mulheres que não têm essa preocupação, levando a vida meio que desleixada, sem os devidos cuidados com a saúde, nem mesmo quando carregam um filho no ventre e com isso, nem mesmo as vacinas recomendadas são feitas durante a gravidez.

Com isso, o bebê inocente fica sujeito a complicações diversas já a partir do nascimento.

A seguir então, vamos tecer alguns comentários sobre essas 3 importantes vacinas que toda gestante precisa receber. Da mesma forma, também as pessoas que poderão entrar em contato com a criança devem se prevenir.

Por isso, existem algumas vacinas que essas pessoas deverão tomar pelo menos 15 dias antes de entrar em contato com a criança.

Vacina da Gripe Influenza

 

A Gripe Influenza já bem conhecida em nossos dias é uma infecção aguda do sistema respiratório. Esse tipo de gripe é causada pelo vírus Influenza sendo altamente contagiosa.

A gripe apresenta como sintomas a febre, tosse seca e dor muscular. Ademais, ela tanto pode apresentar uma evolução com período limitado como pode se apresentar em forma mais grave.

Essa gripe é a principal responsável pelas altas taxas de hospitalização, pois o vírus causador não escolhe suas vítimas, basta que o sistema imunológico se encontre desguarnecido para que o vírus possa agir.

Porque a vacina é necessária

Com respeito às vacinas para mulheres gestantes, a vacina da Gripe Influenza é considerada a mais importante no período de gestação. Essa vacina protege não apenas contra a gripe, mas também contra outras  complicações respiratórias.

Devemos lembrar que a falta de imunidade no corpo da gestante influencia diretamente na sua saúde. Ademais, com essa deficiência, também o bebê é prejudicado, inclusive com risco de morte.

A vacina contra a Gripe Influenza pode ser aplicada em qualquer mês durante a gravidez, mas não convém deixar pra depois, fale com seu médico e se planeje.

Se acaso, por algum motivo a vacinação não for possível ainda durante o período de gravidez, a vacina pode ser tomada dentro dos primeiros 45 dias após o nascimento do bebê. Nesse caso, a criança será beneficiada com os anticorpos da mãe através da amamentação.

Outras formas de se proteger

Além da vacina, extremamente importante para não contrair o vírus Influenza, também é importante se proteger de outras formas. Veja as dicas:

  • Cuidado para não compartilhar objetos pessoais com pessoas estranhas. Esse cuidado deve ser especial com os talheres, copos e mesmo as toalhas.
  • Lembre-se de lavar as mãos com água e sabonete regularmente. Sempre que possível, utilize o álcool em gel antisséptico.
  • Sempre que precisar espirrar ou tossir, habitue-se a cobrir a boca e o nariz.

Com esses cuidados, você se protege e também ajuda a proteger quem está ao seu redor.

Vacina da Hepatite B

 

A Hepatite B é causada pelo vírus da Hepatite  B (HBV) doença caracterizadas pela irritação e inchaço do fígado. A doença pode ser transmitida pelo contato com o sangue.

Além disso, o contágio pode ocorrer pelo sêmen, por fluídos da vagina e também por outros fluídos no corpo. Dessa forma, basta entrar em contato com alguém que já se encontra contaminado pelo vírus.

Quando o sistema de proteção do corpo detecta a infecção, envia os agentes de defesa para combatê-la. Porém, as mesmas células encarregadas de combater a infecção podem causar a inflamação no fígado.

Para as gestantes, a vacina se faz necessária mesmo antes de acontecer a gravidez. Por isso, se acaso, ainda não tenham sido vacinadas, é necessário tomar providencias para que ela aconteça.

Como resultado da desobediência a essa regra de vacinação, as consequências poderão ser trágicas. Se porventura, a doença for contraída,  essa será transmitida diretamente para o feto.

Então, se a vacinação não ocorrer antes do período de gestação, o prazo pode se estender até a 13ª semana de gestação. Essa regra vale também para aquelas mulheres que estão com a carteira de vacinação incompleta.

Porém, nessa situação, a mulher ainda deverá tomar injeções de Imunoglobulina para evitar os riscos de contaminação para o bebê.

Em que período da vida a vacina contra Hepatite B deve ser tomada

Crianças – a vacina deve sera aplicada por via intra-muscular na região Antero-lateral da coxa.

  • Primeira dose da vacina – recém-nascido nas primeiras 12 horas de vida, ainda dentro da maternidade,
  • Segunda dose da vacina – deve ser aplicada 30 dias após a primeira dose,
  • Terceira dose da vacina – deve ser aplicada 180 dias após a administração da primeira dose.

Vacina em adultos – nesse caso, a vacina deve ser administrada por via intra-muscular no braço.

  • Primeira dose da vacina – nesse caso, não existe uma idade precisa, pode ser a qualquer tempo,
  • Segunda dose da vacina – deve ser administrada 30 dias após a administração da primeira dose,
  • Terceira dose da vacina – deve ser administrada 180 dias após a administração da primeira dose.

A vacina contra Hepatite B é capaz de imunizar o organismo contra infecções causadas por todos os tipos de vírus da Hepatite B. Além disso, essa vacina ajuda a prevenir a Hepatite D que é causada pelo vírus Delta e não acontece na ausência da infecção por Hepatite B.

 

Vacina Tríplice Bacteriana

 

Ainda entre as vacinas para mulheres gestantes, a Tríplice Bacteriana também é necessária para proteger o bebê. Essa vacina protege contra a Coqueluche  e o Tétano Neonatal que pode acontecer no momento do parto.

Por vezes, os instrumentos usados pelo médico na hora de cortar o cordão umbilical podem estar contaminados, provocando a contaminação do bebê.

A Coqueluche é uma doença que tem acontecido com muita frequência em crianças recém-nascidas e de até 1 ano de idade. Essa doença pode causar complicações drásticas inclusive a morte do bebê.

Também por conta dessa doença, as crianças ficam mais susceptíveis a outras complicações. Entre essas complicações podemos citar a  Pneumonia, convulsões e sérios danos no cérebro.

Por isso, é muito importante que as gestantes tomem a vacina entre as 27 e 36 semanas de gestação para proteger o bebê.

Além da Coqueluche e do Tétano Neonatal, a vacina Tríplice Bacteriana também protege contra a Difteria.

Quando a vacina deve ser administrada

A vacina Tríplice Bacteriana deve ser administrada em crianças aos 2, 4 e 6 meses de idade com um reforço aos 15 meses de idade e entre os 4 e 6 anos de idade.

Depois disso, ainda é recomendada a dose de reforço a cada 10 anos durante a vida.

Vacina contra a Rubéola

Uma vez que estamos falando de vacinas que devem ser tomadas durante a gravidez, achamos por bem falar também da Rubéola.

Aconselha-se que as gestantes que não contraíram a doença, sejam vacinadas ainda antes de engravidar. A vacina é eficiente em quase 100% dos casos.

Com respeito à doença, é importante que a gestante tenha um cuidado redobrado durante o primeiro trimestre de gravidez. Acontece que a Rubéola pode ser transmitida para o feto.

Como resultado de sua ação, ocorre graves complicações para o feto. Pode acontecer uma má-formação congênita como alterações oculares e cardíacas e, em algumas situações provocar aborto.

Quando a mulher deve tomar a vacina

Conhecida como Tríplice Viral, a vacina que protege contra a Rubéola também protege contra a Caxumba e o Sarampo. Essa vacina é produzido com o próprio vírus porém, atenuado.

A recomendação do Ministério da Saúde é que toda a mulher em período fértil tome essa vacina. Apesar de proteger na gravidez, essa vacina só pode ser tomada 30 dias antes de a mulher engravidar.

Se porventura, a mulher tomar a vacina durante a gravidez ou se engravidar em menos de 30 dias após a vacina, o bebê corre perigo. Como resultado disso, o bebê pode nascer com defeitos congênitos, os mesmos provocados pela própria doença.

Caracterizando a Rubéola Congênita o bebe pode nascer com defeitos congênitos, cego, surdo e com retardo mental.

Quando vacinar o bebê – o bebê deve ser vacinado quando completar 15 meses de vida. Entretanto, é preciso que se entenda que a vacina contra a Rubéola não serve como tratamento, apenas para a prevenção da doença.